Psicanálise

Psicanálise
Terapia Breve
Dr. Michaël Vieira dos Santos é Fisioterapeuta graduado em 1990. Fez pós-graduação em homeopatia, acupuntura e psicanálise; ao se dar conta da implicância da psique nas insuficiências orgânicas procurou estudar e desenvolver na Fisioterapia um método que associasse esta a aquela que deu o nome a este método de Psicossomatopedagogia no ano 2000, após atender mais de 5000 mil clientes, postulou e sistematizou esta terapia breve que muito beneficia seus clientes uma vez que sai do microcosmo da doença física, procurando abordar o cliente com a metafísica que é mais macrocósmica. Esta ciência que sistematizei e desenvolvi o passo a passo na clínica diária é apoiada pela Cientificação.
Nome também registrado por mim que descreverei mais adiante.
Na Psicossomatopedagogia usamos uma pedagogia de atendimento em quatro aspectos, um, claro, a somatização, que é colocar no corpo o que não queremos perceber na psique; conforme estes conflitos vão sendo procrastinados se cristalizam no físico em forma de insuficiências, procuro conscientizar o cliente disso.
2 – Em um segundo momento desta terapia breve – A psique – como um todo que se traduz em forma de diálogo, terá o divã como ancoragem onde os aspectos inconscientes e conscientes do cliente são trazidos à luz em forma de diálogo pelo terapeuta de maneira genuína, levando em consideração os aspectos metafísicos da questão, que o cliente adota em sua vida dominando-o, aparecendo em sua forma de agir (ação) segundo sua filosofia de vida, que até então, não era percebida, mas dominante.
3 – Em um terceiro momento desta terapia breve será abordada a questão da psicogenética muito negligenciada por outras abordagens, mas que na Psicossomatopedagogia é muito importante, pois no campo morfogenético do DNA estão contidos as emoções genéticas e os sentimentos trazidos pelo RNA da pessoa que podem até estar esquecidos, mas como disse acima, dominantes na vida dela, eles podem ter sido depositados lá por gerações passadas por nossos ancestrais, tal como acontece com todos os programas do DNA, uns para nosso benefício, outros não. Quantos de nós já ouvimos de nossos entes queridos: Puxa este era um habito de seu avô ou avó ou este é a ovelha negra da família, assim isto deve ser conscientizado pelo terapeuta ao cliente levando em consideração a adoção deste programa pelo cliente e o seu por quê.
4 – E em último lugar, mas não menos importante, a Introspecção Sensorial, uma ferramenta de desenvolvimento real da percepção de si mesmo e do outro no universo interno e externo. Nestas alturas, o cliente já acostumou a lidar com seus aspectos dominantes podendo se entregar mais ao método, aqui a introspecção sensorial se faz necessária, nela ele encontrará profundas memórias de pessoas que vimos ou estivemos em contato direto, e memórias de outros tempos e lugares que se apresentam nas fáscias do corpo humano em locais específicos de nosso cérebro ou a partir da consciência coletiva, nós as carregamos para o presente e devem ser resolvidas e não mudadas ou excluídas, pois têm o papel de manter o cliente na realidade.Claro que nesta abordagem todos estes aspectos são considerados em um só SER jamais podendo ser elitizados sem que cause um alijão no SER por excelência.
Assim, em poucas letras, dou uma ideia do que chamei de INVEJA (do latim – In Vedere – não ver) o que não significa que não exista, muito pelo contrário, ela é dominante, mas quando admitida nestes níveis, a pessoa começa a ter vida interior, podendo levar a civilização atual à Parusia. Portanto a CIENTIFICAÇÃO é isto: ficar ciente das ações que adota na vida e suas consequências diretas e indiretas nela.
Temos à disposição:
Sessões de atendimento – Presencial ou por Telefone.
Palestras terapêuticas.
Curso terapêuticos de introdução ao método.
Formação de Profissionais.
Mais informações pelo nosso setor de relacionamento: 11 99156 – 3205.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>